Posts Tagged ‘mtv’

Música – Michael Jackson

junho 29, 2009

vejamj

Não foi pela MTV muito menos pelo Fantástico. Conheci Michael Jackson em 1982, quando então com 2 anos, um amigo do meu pai me presenteou com o grande LP do ano, Thriller.

Mais tarde, não sei presente de quem, meu pai trouxe para casa uma fita VHS com o making of completo do videoclipe da música que dava nome ao disco, o mesmo Thriller. Além de trazer os mais de 10 minutos do clipe, a fita mostrava etapas de maquiagem  (com os mortos-vivos e o lendário lobisomem), efeitos especiais da transformação, edição de áudio, ensaio da coreografia, entrevista com John Landis (diretor) e o próprio Michael, entrevista com fãs e trechos de imagens de arquivo como o clipe de Beat It, alguma coisa de Jackson 5 e o histórico Moonwalk durante Billie Jean na festa da Motown.

Procurei a fita para relembrar aqueles momentos e não encontrei, deve estar perdida no meio de alguma bagunça. Na verdade acho que hoje é possível assistir ao mesmo documentário no YouTube. Só o fato da fita ainda existir já é quase um milagre, não sei como ela não rasgou ou furou, afinal, não foram nem 1 ou 2 dezenas de vezes que ela tocou e sim centenas de exibições sempre marcadas pela tentativa de imitar a coreografia ou pelo olhar amedrontado de quem se intimidava pelo terror.

Nos anos 80, quase todos que foram à minha casa assistiram uma sessão do video. A visita chegava e meu pai já dizia “coloca o Michael Jackson!” E todos comentavam ‘esse cara é foda hein‘.

No domingo 21 de junho de 2009, durante um almoço de família, uma tia lembrou saudosa: “ah esses meninos eram terríveis, colocavam o monstro de Michael Jackson na televisão e ficavam me chamando pra assistir, eu não gostava de ver aqueles defunto dançando e tinha medo, mas eles riam e riam e ficavam imitando.” No dia 25 de junho a notícia da morte do cantor pegou a todos de surpresa. Liguei pra mesma tia e ela disse “lembrei de vocês pequenos, ainda no domingo a gente falava dele né?“.

Ao acompanhar o noticiário e posteriormente assistindo os documentários sobre o rei do pop que pipocavam para todos os lados, lembrei, mas não de Michael. Não de lobisomem, Thriller, moonwalk, robô, chapéu, luva, vitiligo, pedofilia nada disto. Eu lembrei de mim. Quantas vezes assisti a cada um daqueles clipes? E quantas vezes o mesmo clipe me surpreendeu novamente? Quantas vezes redescobri o talento de Michael Jackson? A princípio eu gostava do visual e dos efeitos especiais, depois descobri a música. Com o tempo descobri o Jackson 5 e tudo fazia sentido, tudo se encaixava. Quem escuta Michael com menos de 10 anos cantando diz ‘está aí o futuro rei’ e não deu outra.

Infelizmente, nos últimos anos, parece que Michael se esforçou ao máximo para quebrar tudo que construiu, dentre elas, a profunda admiração que cativou numa geração inteira. Não havia nada mais triste que, ao longo dos anos, conviver com o deboche das pessoas que riam do seu branqueamento, do seu cabelo, nariz fino, lábios finos e posteriormente, o pior de todos, acusação de pedofilia. O pior entretanto, é que o próprio Michael não nos deixou escolha. Como defender um cara daqueles? Não era a mesma pessoa, não podia ser. Parece que Michael (o gênio) entrou em coma em meados dos anos 90 e só saiu agora quando seu corpo físico não suportou mais tamanha insanidade.

Com a notícia da morte o mundo pôs os pés no chão. Ao invés de incriminá-lo e ridicularizá-lo vieram as devidas e emocionantes homenagens que estavam adormecidas pelos escândalos dos últimos anos. Afinal de contas, Michael Jackson não era isso ou aquilo, ele era tudo isso. Desde as surras de criança até a acusação de pedofilia, tudo compôs o universo Michael Jackson e não fosse um destes elementos, positivos ou negativos,  a história seria outra e talvez o grande artista, ou gênio, não tivesse se manifestado.

Ficam os escândalos, insanidades mas fica também a atitude, a dança e o suingue daquele que quebrou barreiras e mudou a história do showbusiness.

Pelos meus anos 80, valeu Michael!

Anúncios

Thunderbird

abril 9, 2009

thunderview

Thunderbird era um sujeito muito esquisito. Talvez o VJ mais esquisito que a MTV já teve. Esquisito mas gente boa.

Certa vez estreou em um programa como comentarista de filmes bizarros (estilo Cine Class do Hermes e Renato) e, ao lado de uma boneca inflável, assistia e criticava os filmes. Algumas vezes era engraçado, outras, medonho. Não raro, quando o filme ficava monótono, Thuderbird se divertia girando a boneca no ar espetada pelo dedo em buracos inconfessáveis. hehhehe O programa durou pouco.

Por onde anda Thunderbird? Hoje, “youtubando” por aí, encontrei uns videos de seu novo programa de entrevistas, é o ThunderView.

Bacana. Recomendo também o site do programa que tem todas as entrevistas, textos e afins. –> Showlivre.oi.com.br

Para quem não conhece é uma boa oportunidade de se sentir normal e para quem já teve o prazer, vale para matar a saudade.

Antes fosse…

abril 8, 2009

dead

Esta semana, dia 5 de abril, completaram 15 anos da morte de Kurt Cobain. Ele foi um dos primeiros artistas contemporâneos cuja morte me lembro. Aliás, passei a ouvir o Nirvana devido a tamanha comoção ao redor da notícia.

Me lembro da retrospectiva daquele ano (94) quando um dos destaques foi a morte do cantor que influenciou milhares de pessoas e criou um movimento na música mundial, o Grunge. Depois disso, quando a MTV “comemorava” meses do acontecido, resolvi assistir alguns especiais e, inevitavelmente, virei fã.

A morte de Renato Russo ouvi pelo rádio. Foi mais ou menos a mesma história do Nirvana. Não conhecia seu trabalho e comecei a destrinchar mesmo após a morte. Já o Mamonas, esse eu conhecia bem (e quem não?), minha irmã então novinha me deu a notícia com os olhos cheios de lágrimas.

Também me lembro do Chico Science. Estava viajando e não sabia de nada quando de repente uma ligação do meu irmão me revelam duas trágicas notícias: 1-Max saiu do Sepultura; 2-Chico Science morreu. Meses antes ouvi na rádio “Chico Science e Nação Zumbi tocam em Belo Horizonte pela segunda vez em menos de um mês!“, pensei, ‘se estão vindo direto, oportunidade é o que não vai faltar’. E faltou, até hoje me arrependo.

Já a Cássia Eller eu estava na praia. Morreu no reveillón. Lembro de estar sentado num boteco quando um menino passou vendendo um jornal de longe que trazia alguma notícia sobre a Cássia na capa, achei que se tratava de algum show importante na virada (realmente ela ia fazer o reveillón de Copacabana). No outro dia o Scooby, com a sua delicadeza que lhe é peculiar me disse: “…e a Cássia hein? Foi pro saco!”

Um dia resolvi perguntar pessoas mais velhas sobre como foi a notícia e repercussão da morte de pessoas famosas. Eu mesmo nasci num dia trágico. Essa história quem conta é meu pai, no dia 9 de julho de 1980 se apaga uma estrela e outra se acende. Morria Vinícius de Morais e eu nascia. hehe

Mas nada foi mais forte e sincero que o depoimento do meu querido Tio Zinho a respeito da morte de seu maior ídolo. Em suas palavras:

Zinho: “eu estava em alguma boate em Belo Horizonte quando Miltinho veio correndo afobado e dizendo ‘Zinho você não sabe quem morreu’. Pelo jeito que veio achei até que fosse alguém da família, tomei coragem e perguntei ‘Quem? Fala logo!” Ele disse: John Lennon. -Puuuta que pariu!!, desabafei, antes fosse alguém da família.

Música – Eliane Galileu

novembro 14, 2008

galisteu

Hoje a Adriane Galisteu foi no Programa do Jô e não teve jeito; tooda vez que olho pra ela lembro da música Eliane Galileu que um tal de Profeta fez em sua homenagem há tempos atrás. É de se admirar que a moça tenha conseguido um certo “brilho próprio” no show business brasileiro mas nem sempre foi assim. Para aqueles que esqueceram, não custa lembrar, ela ganhou fama porque era namorada do Senna

A música do Profeta dizia assim:

Quem não comeu Eliane Galileu, não tem telefone celular. Quem não comeu Eliane Galileu, não dirige um Jaguar…

Nesse ano (não sei se foi 96…) devido ao sucesso da música convidaram o Profeta e a Adriane para apresentar um prêmio no VMB (Video Music Brasil) (*). O Profeta já chegou brincando e falando que a música era uma piadinha mas Adriane não quis nem saber, deu o tapa mais doloroso da história da televisão brasileira na face do cantor. Não teve nem como disfarçar, doeu!  Se era combinado não sei, mas com certeza ele não esperava tamanho realismo na interpretação da moça. kkk

Mas deixa de papo, vamos relembrar a música Eliane Galileu com o Profeta.

 

(*) Premiação de videoclipes nacionais pela MTV Brasil

Música – Balada MTV Raimundos

novembro 11, 2008

raimundosbaladamtv

Estes dias achei uma maravilha esquecida nos grotões da MPB. É o disco Balada MTV dos Raimundos. Aproveitando o clima de ‘saudade’ (minha) da banda resolvi curtir este álbum.

O projeto ‘Balada‘ da MTV, é um ‘Acústico‘ em proporções mais modestas e menos pretenciosas. Depois que a franquia ‘Acústico MTV‘ ganhou ares de super produção e poderes mágicos para ressuscitar a carreira de qualquer banda dos anos 80 que estivesse em declínio, não era qualquer um que iria embarcar nessa. Deveria ser feito um estudo de mercado (por parte da MTV) pra ver quem poderia lançar e quem não. Nessa história algumas bandas não podiam (ou não precisavam) lançar um acústico, mas seria legal lançar algo diferente, descolado ou só pra encher linguiça mesmo. O Raimundos foi uma delas e na época eu não quis saber do disco por achar desnecessário. Acabou que a banda… acabou e, o disco foi deixado de lado. Meio que uma raridade excêntrica que só seria ouvida talvez pelos fans mais fervorosos.

Hoje, passada a tormenta, resolvi ouvir as tais versões e confesso que acabei descobrindo um disco muito simpático para momentos relax e nostálgicos.

O setlist passeia entre os dois primeiros CDs, pega alguma coisa do Lapadas, as farofas do Só No Forevis e ainda tem, é claro, momento Ramones. As piorzinhas são Mulher de Fases e A Mais Pedida mas ainda assim ouvíveis devido ao clima light. Outro momento duvidoso é quando eles viajam numa tal de “Garota Dourada” que tem cara de brazilian-stupid-boy-band-song. Já as minhas favoritas são Sereia da Pedreira e Cintura Fina.

Enfim, o álbum é um disquinho legal para ouvir e cantar junto além de aprender no violão e cantar pra moçada numa rodinha da vida.